Psicologia Infantil

22/12/2014 04:23 - Atualizado em 06/12/2016 04:02

Como a separação dos pais atinge os filhos

A separação dos pais não precisa ser sempre um trauma para as crianças.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Com o crescente número de divórcios, é cada vez mais comum ver a formação de novos núcleos familiares que modificam a relação não só entre os casais, mas também com os filhos a partir da separação dos pais.

Isso porque, com a separação dos pais, um deles acaba por deixa o lar, antes propriedade da família toda e, depois do divórcio, apenas de uma parte dela. Com isso, se forma para os filhos um ambiente familiar completamente diferente do modelo anterior, passando desde a simples mudança de endereço até pela necessidade de se adequar a uma faixa de renda menor do que a habitual.

separacao dos pais

Separação dos pais é momento difícil

A separação é um momento delicado para toda família, pois a partir dela podem ocorrer os mais diversos tipos de conflito. Não é apenas a separação dos pais e sim toda uma rotina, um ambiente físico e psicológico que passa a ser modificada após o divórcio.

Assim, os filhos podem ser os mais atingidos pela separação dos pais. Se o momento for de muito conflito, eles tendem a momentaneamente desviar sua atenção do mundo, na maioria das vezes se fechando e não aceitando sequer falar sobre o problema.

Por isso, é normal que os filhos reajam com raiva à notícia, mas também com medo, tristeza ou até culpa. Esses sentimentos podem acontecer ao mesmo tempo ou mesmo se alternar durante semanas ou meses após a separação dos pais.

Existem em outros países algumas pesquisas que, basicamente, mostram dois tipos diferentes de reações apresentadas nos filhos de casais em processo de separação: o medo, consciente ou inconsciente de que o pai com quem ficou também vá embora, abandonando o filho sozinho, e a perda da confiança nos adultos.

Nesse momento, enquanto os pais buscam resolver questões práticas, como guarda e visita, é importante também atentar à maneira de lidar com os sentimentos envolvidos nesse rompimento, o que inclui a percepção dos filhos em meio a esse processo.

Além disso, está envolvida ainda a interrupção de certas tradições familiares. A perda da convivência diária com um dos pais pode trazer aos filhos a sensação de desamor, e principalmente de rejeição e abandono, o que pode ser evitado com algumas medidas importantes.

Adaptação à separação dos pais

O mais importante é proteger e preservar os filhos, principalmente se o processo não for muito amigável entre o casal. Não deixar que os filhos se envolvam em brigas dos pais e preservar a relação entre eles e quem deixar o lar evita que se sintam abandonados.

O tratamento psicológico é fundamental para crianças e adolescentes que vivenciam esse sofrimento. A principal função do acompanhamento é não gerar prejuízo em seu equilíbrio psíquico e nem em seu desenvolvimento.

Gostou das dicas? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
dor
perda
divórcio
saúde infantil

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ