Motivação

29/06/2015 06:00 - Atualizado em 01/01/2017 04:04

Iracema: a perda da filha de 6 anos e a criação do Instituto Gabi

Após morte da filha, a pedagoga teve força e determinação para criar uma Ong que ajuda crianças carentes.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A pedagoga Iracema Barreto Sogari, de 49 anos, perdeu a filha quando ela tinha apenas 6 anos de idade. Uma história triste que começou a mudar com a criação do Instituto Gabi que ajuda crianças carentes. Atualmente, Iracema passa por um tratamento contra o câncer de mama e nem por isso desistiu de viver. Leia a história e se emocione!

Confira a história da Ilza: da depressão à realização de projeto audacioso

Em fevereiro de 2001, Iracema Barreto Sogari sentiu a dor da perda quando a filha Gabriele, de apenas 6 anos, foi vítima de atropelamento. Num gesto de caridade, a menina resolveu ajudar um mendigo que vagava próximo a sua casa, no bairro de Santo Amaro, em São Paulo. “Ela tinha ido ao mercado com meu marido e encontrou esse mendigo. Ela pediu para o pai comprar comida para ele e na volta um motorista embriagado a atropelou”, ela conta. Mesmo com a assistência do motorista, a criança não resistiu aos ferimentos. “Meu marido garante até hoje que ela morreu na hora”, conta a pedagoga.

Iracema sentiu que perdeu o chão, mas sabia que o filho, João Filipe, na época com apenas 2 anos, e o apoio do marido, o jornalista Francisco Sogari, de 58 anos, eram fundamentais para continuar a viver. “Fiquei vários meses com uma depressão profunda, tive dificuldade para dormir, mas por causa da fé nunca pensei em tirar a minha vida. Tive a necessidade de arrumar ajuda e comecei um tratamento com terapeuta", diz a pedagoga.


Conheça a história de superação de Léo Denir

Instituto Gabi

Três meses após a morte de Gabi, Iracema e o marido sentaram e pensaram em como transformar a morte em virtude. Foi então que decidiram ajudar crianças carentes. Em maio de 2001, surgiu o Instituto Gabi. “Nós começamos na garagem da casa de uma amiga com algumas crianças. Para isso, os vizinhos ajudaram na entrega de panfletos na comunidade", relembra.

Como o projeto a todo vapor, o casal expandiu o negócio com a ajuda dos amigos. “Arrecadamos dinheiro para alugar uma casa e nós começamos a atender. Um ano e meio depois já tinhamos um convênio da prefeitura.”

O Instituto tornou-se um acerto na vida de muita gente. Hoje, o local contabiliza cerca de 70 crianças carentes com deficiência e de baixa renda. Para animar todos, um time de psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais entre outros profissionais realizam de atividades físicas a oficinas de arte com o objetivo de integrá-los a sociedade. "Eles não ficam sem atividade. É muito interessante ver a felicidade na carinha de cada um", se emociona.

Você sabe como está sua saúde emocional? Faça o teste

Câncer de Mama e superação


Contente com os gestos de carinho, Iracema precisou de mais força ainda quando descobriu há um ano que estava com câncer de mama. Por sinal, no dia da entrevista ao Vivo Mais Saudável, ela realizou a primeira mastectomia (cirurgia de remoção da mama): “Eu pensei que poderia morrer, mas o que me paralisou foi a dor física". E novamente, ela conta com o apoio familiar. “Tenho um filho de 16 anos. Eu não posso reclamar, fui muito amparada."

Saúde da Mama: O que toda mulher com mais de 30 anos deve saber

Com uma gama de obstáculos em sua vida, como Iracema encara os problemas com naturalidade? “Qual o sentido? Eu acho que eu tiro dessa situação o valor da vida. Nas pequenas coisas devemos procurar olhar a vida com um olhar mais positivo”, finaliza.

Você gostou da história da Iracema? Deixe seu comentário. E se você também tem sua História de Superação, conta pra gente aqui.

 

TAGS
instituto gabi
história de superação
pedagoga Iracema
como lidar com a perda de filho

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ