Amor e Sexo

03/09/2014 06:57 - Atualizado em 09/12/2016 12:39

Sadomasoquismo utiliza dor e fantasia na busca pelo prazer

Respeitando limites, sadomasoquismo pode ser benéfico para o casal.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Se a prática sadomasoquista permeava um universo periférico e se resguardava apenas ao imaginário sexual de grande parte das pessoas até algum tempo atrás, hoje ela conquistou lugar nas rodas de conversa que debatem sobre sexo. A prática começou ganhar visibilidade na sociedade através dos relatos de sadomasoquismo contidos na trilogia Cinquenta Tons de Cinza, que deu uma nova dimensão ao mercado da literatura erótica no mundo.

sadomasoquismo

As relações sexuais baseadas no sadomasoquismo nunca foram bem vistas pela sociedade. As poucas discussões sobre o assunto, aliadas ao preconceito, criaram no imaginário popular a ideia de que esse tipo de cultura sexual se baseia em uma tortura, na qual um é agredido contra sua vontade – mas não é assim que funciona. Os atos sexuais sadomasoquistas acontecem através do mútuo consentimento - ambos buscam o prazer na mesma situação.

O sadomasoquismo e a saúde mental

Sigmund Freud, conhecido mundialmente como pai da psicanálise, já apontava em seus estudos que há uma base perversa no comportamento humano. Para ele, o sadismo e o masoquismo fazem parte da sexualidade humana e só devem ser visto como distúrbios mentais quando chegam a situações extremas.

“Na pratica clínica, podemos observar isso muito claramente. Nenhum paciente me procura porque apresenta características sádicas ou masoquistas. Mas encontramos na raiz desse sofrimento aspectos masoquistas e sádicos”, diz a terapeuta sexual Keila Oliveira.

Não se pode afirmar qual a origem do comportamento sádico, mas se sabe que é intimamente ligado ao masoquismo. “O masoquismo seria uma derivação: a inversão do sadismo contra si próprio. Eles estão relacionados com a pulsão de morte e se desenvolvem permeando o Complexo de Édipo, até os 5 ou 6 anos de idade”, explica Keila.

No livro Cinquenta Tons de Cinza, Christian Grey é um empresário bem sucedido e apreciador do sexo sadomasoquista. A história mostra a atitude dominadora por parte dele e a submissão das mulheres com relação a sua condição. Incluindo Anastasia Steele, menina virgem a quem Grey apresenta a prática. O fetiche representado no livro é encontrado em pessoas com estado clínico mais denso, mas não extremo.

O sadomasoquismo para o casal

A relação sadomasoquista recebe esse nome por unir duas práticas: o sadismo, onde um indivíduo sente prazer em presenciar o sofrimento alheio, e o masoquismo, quando a pessoa busca prazer em sentir dor ou imaginar que a sente. Esse tipo de prática sexual se estabelece em relacionamentos compostos por pessoas que buscam vivenciar e experimentar algo novo.

O sadomasoquismo pode ser benéfico para um relacionamento, a partir do ponto de vista de que a entrega necessária é prova de que há confiança mútua entre o casal.

Para que a prática funcione e leve às pessoas o prazer que buscam, o imaginário precisa ser incitado. O uso de fantasias, músicas, filmes e falas são essenciais para o sucesso do ato sexual. “Como a imaginação precisa ser aguçada, o sexo vai além do ato físico, trazendo a sexualidade para um terreno muito mais permitido e sedutor”, diz a psicóloga e sexóloga Ana Paula Vieira.

A atração pela prática

A principal atração do sadomasoquismo é a linha tênue que separa o prazer da dor. O limite dos atos é estabelecido pelo próprio casal que precisa se conhecer bastante, para saber o que agrada ou não ao outro.

“Uma conversa franca capaz de revelar aquilo que atrai e/ou é aceitável dentro de quatro paredes. Assim, ensine o jeito que prefere e procure saber sobre o parceiro também. Sexo não é só pele ou beijo. Também é papo”, afirma Ana Paula.

O importante na prática sadomasoquista é que os praticantes tenham a liberdade de agir e realizar as fantasias e desejos que possuem e que cada um possa dar liberdade ao outro para que pratique aquilo que deseja. No sadomasoquismo, o consenso é essencial, e a busca pelo prazer próprio e o do outro também.

E você, já experimentou usar a fantasia na hora do sexo? Deixe seu comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado nas novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
sexo
relacionamento
saúde
amor

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ