Amor e Sexo

06/06/2015 08:21 - Atualizado em 08/12/2016 03:07

Ponto G é lenda ou verdade? Tire suas dúvidas

Zona erógena que levaria ao ápice do prazer é buscada pelas mulheres desde os anos 1950.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Uma parte do corpo que levaria ao prazer extremo sempre foi procurada pelas mulheres. No entanto, uma pesquisa do King’s College, de Londres, na Inglaterra, comprovou que o ponto G não passa de um mito. A famosa zona erógena feminina é apenas um estímulo imaginário.

Não existe um ponto do corpo que possa ser considerado o “G”, mas ele estaria relacionado ao teto da vagina, uma zona que gera excitação e lubrificação por ser bastante sensível. porém, apesar de erógena, estimulá-la não garante o nível máximo de prazer. Saiba por que o ponto G não passa de lenda e como atingir o prazer de verdade.

O que é o ponto G?

A existência de um ponto G foi sugerida na década de 1950 por um médico da Alemanha, chamado Ernst Grafenberg. Depois que ele levantou a hipótese sobre essa zona erógena, muitas mulheres e profissionais se dedicaram à busca dela. Entretanto, um movimento de sexólogos se dedicou a desconstruir essa ideia, que reduzia o prazer a um único ponto.

ponto g

À procura dessa parte do corpo que levaria ao orgasmo máximo, o sexo feminino se frustrou e se cobrou por anos durante as relações sexuais. Mas os pesquisadores finalmente comprovaram que o ponto não existe.

A excitação sexual depende de inúmeros fatores fisiológicos, psicológicos e emocionais. Além disso, a entrega da mulher durante o ato sexual também é fundamental para conquistar o prazer.

Além do estudo do King’s College, a Universidade Yale, nos Estados Unidos, realizou uma investigação que também não encontrou evidências de um ponto anatômico parecido com o mítico ponto G. Apesar de existirem rugosidades distintas nas vaginas, não é possível detectar um local que excite mais ou menos.

O que estimula o prazer feminino?

Não existe um padrão de estímulos sexuais, pois cada pessoa recebe os impulsos de forma diferente. Apenas conhecendo o corpo e os pontos sensíveis é possível encontrar o famoso “ápice do prazer”. Ele pode ser atingido por meio das mamas, do ouvido, da nuca, dos pés e de qualquer outra parte do corpo que provoque os sentidos.

O prazer da mulher não depende do ponto G, pois está muito relacionado à autoestima e ao conhecimento de suas zonas erógenas. Cada uma possui pontos especiais que são estimulados de acordo com o toque. É possível, inclusive, que ela chegue ao orgasmo sem a penetração.

As áreas de maior irrigação nervosa do corpo são aquelas consideradas erógenas, pois são mais sensíveis. No entanto, não existe um ponto específico para “acessar” o prazer. O períneo, localizado entre a vulva e o ânus, é uma zona de grande estímulo, mas diversos outros locais podem provocar a mulher.

Em muitos livros sobre sexo e da própria literatura médica, existe a menção da área G, que estaria localizada no início da vagina, em função de uma sensibilidade maior. Mas, com os novos estudos sobre sexo e erotismo, o clitóris tem sido apontado como uma das partes mais estimulantes do corpo da mulher.

É por isso que, depois das comprovações científicas, o melhor é descobrir em cada mulher como é possível fazê-la se sentir excitada. Que tal começar? Deixe seu comentário e continue acompanhando o Vivo Mais Saudável para conferir mais dicas de bem-estar.

TAGS
prazer
mulher
masturbação
excitação

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ