Amor e Sexo

10/03/2015 01:38 - Atualizado em 08/12/2016 01:05

Aprenda como lidar com uma paixão platônica

Paixão platônica é uma forma de amor idealizado que pode levar à obsessão.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Você já se apaixonou por alguém que julgava impossível conquistar? Já alimentou uma paixão platônica sem conseguir entender por que aquela pessoa era tão especial? O amor tem diferentes formas de acontecer, e isso Platão já escrevia desde o século 4 a.C.

Na obra O Banquete, ele fala sobre as diversas formas de amar. De acordo com o filósofo, a paixão platônica não corresponde à dor ou à resignação por um amor impossível, mas é uma maneira diferente de sentir, como que uma ilusão. Entenda o que é esse tipo de paixão e como lidar com ela.

paixao platonica

Paixão platônica pode durar bastante

É um perigo alimentar uma paixão idealizada. Psicólogos alertam para a dificuldade em conseguir superar um amor que nunca foi verdadeiro ou que não aconteceu de fato. A paixão platônica consiste em uma espécie de sentimento imaginado, que acontece apenas como uma espécie de sonho.

Mais comum do que parece, o amor platônico é algo que todos sentem, em diferentes graus, em algum momento da vida. De acordo com estudiosos da Universidade de São Paulo, as compreensões acerca do tema são diversas, mas se referem principalmente à literatura, na qual os personagens idealizam romances impossíveis.

Pessoas tímidas e com dificuldade em se relacionar são as que mais sofrem com paixões platônicas. Nesses casos, cultivam amores secretos, sonhando com o “par perfeito”. Por medo ou receio de não serem correspondidas, acabam mantendo o romance apenas no plano das ideias e temem a aproximação e a desilusão.

Na adolescência, é natural criar vínculos imaginários de um amor. Porém, quando permanecem na fase adulta, podem causar complicações, principalmente se virarem obsessão. Crimes passionais costumam também ser fruto de um desequilíbrio emocional provocado por uma instabilidade da mente.

Segundo uma pesquisa da Universidade de Cornell, em Nova York, a paixão tem um tempo de duração que varia de 18 a 30 meses. Aproximadamente 5 mil pessoas foram entrevistadas e o resultado mostrou que uma substância responsável pelo desejo, a neurotrofina, diminui com o passar dos anos, causando também o possível fim da paixão platônica.

Quando esse tipo de paixão dura mais tempo, é preciso consultar um psicólogo e realizar tratamento. Não conseguir estabelecer vínculos com outras pessoas em função de um amor idealizado pode causar sérios danos no futuro.

Paixão platônica tem cura?

De acordo com professores do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo, existem pessoas que não conseguem se curar de uma paixão platônica. Elas procuram o amor nos enganos e descobertas que suas próprias ideias inventam. Esse sentimento, no entanto, não é algo fixo e coerente. É uma história que pode se tornar patologia e recebe o nome de erotomania.

Psicólogos da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) alertam que não vale a pena perder tempo com alguém que não corresponde o sentimento. Viver em um mundo fantasioso faz a pessoa imaginar até mesmo que o outro também está apaixonado. Protegendo-se do sofrimento ao não se aproximar, o sujeito acaba não tendo experiências de vida.

Psicoterapia é o tratamento mais indicado para quem sofre com esse problema. O paciente deve se propor a uma transformação interna e de pensamento, tomando consciência do amor irreal.

Você já teve uma paixão platônica? Conte para nós! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
paixão
terapia
sonhos
amor platônico

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ