Pele

12/07/2015 02:27 - Atualizado em 08/12/2016 05:58

Resultado imediato! Ácido polilático combate a flacidez

Saiba como esse ácido atua na pele e conheça indicações para o tratamento.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O preenchimento facial é uma das técnicas mais procuradas principalmente por mulheres que querem amenizar os efeitos que o tempo deixa no rosto, na forma de rugas e flacidez. O ácido polilático vem sendo cada vez mais utilizado nesse tipo de tratamento, no Brasil.

O produto chegou ao país há alguns anos e ganhou a simpatia de dermatologistas por não simplesmente fazer o preenchimento facial, mas também estimular a formação de colágeno, proteína responsável por dar firmeza à pele.

Usos do ácido polilático

Delegada regional da Sociedade Brasileira de Dermatologia no Rio Grande do Sul e coordenadora do Ambulatório de Cosmiatria da Santa Casa de Porto Alegre, a dermatologista Célia Kalil explica que o ácido polilático é injetado na camada média da pele, chamada derme. É usado nas áreas em que se deseja melhorar a tensão, que causa o aspecto de envelhecimento da face.

“O ácido polilático pode ser aplicado em várias regiões, conforme a diluição utilizada, mas o interessante é que ele não age na pele apenas como um preenchedor nas áreas com rugas, mas também como um estimulador do colágeno”, destaca Célia.

acido-polilatico

Conforme a dermatologista, quando usado na forma injetável, em geral, são necessárias de duas a três sessões, com intervalo de 30 dias entre elas. Célia destaca que o ácido injetável pode ser usado para corrigir a flacidez de outras partes do corpo, como braço, abdômen, coxas e nádegas.

Existe também a alternativa de uso de fios de ácido polilático, que são aplicados por meio de pequenas agulhas para dar sustentação a áreas flácidas, “levantando” a pele. Esses podem ser usados somente no rosto.

Os fios também estimulam a produção de colágeno, deixando o resultado final do procedimento mais natural. A aplicação do ácido polilático tanto injetável quanto em fios deve ser feita sempre por um profissional de dermatologia.

Excesso de resposta deve ser monitorado

O tratamento com ácido polilático tem poucas contraindicações. Segundo a dermatologista Célia Kalil, a técnica seria contraindicada para pessoas com sensibilidade ao produto, o que é raro. Como é um procedimento eletivo, também não é recomendado a mulheres grávidas ou que estejam amamentando, naturalmente mais sensíveis nesse período.

“É claro que mulheres muito jovens não precisam se preocupar com isso, mas, quanto mais cedo notar alguma flacidez, se for feita uma aplicação de fios de ácido polilático, por exemplo, isso pode abreviar uma cirurgia plástica mais tarde”, observa a especialista.

As vantagens do procedimento são o fato de ele ser minimamente invasivo e praticamente sem riscos, além de ter resultados imediatos e duradouros. Os efeitos perduram por até dois anos, segundo Célia.

O principal aspecto que precisa ser monitorado é o excesso de resposta do produto entre uma sessão e outra, o que poderia levar ao preenchimento excessivo. Por isso, o número de aplicações e a diluição usada em cada paciente devem ser analisados caso a caso.

Gostou das dicas de beleza? Deixe seu comentário! E continue ligada no Vivo Mais Saudável para conferir mais novidades do ramo da estética.

TAGS
flacidez
rugas
não invasivo
preenchimento facial

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ