Para Eles

24/03/2016 01:00 - Atualizado em 03/12/2016 08:02

Latanoprosta pode ser arma contra a calvície

Conheça o produto e outras formas de combater a queda de cabelo.

POR

Redação

  • +A
  • -A

No mundo, cerca de 2 bilhões de pessoas têm calvície, segundo dados da Academia Americana de Dermatologia. Em busca do combate à queda de cabelo, homens e mulheres têm recorrido a produtos e tratamento para acabar ou pelo menos diminuir essas consequências. E a latanoprosta pode ser uma arma contra o problema capilar.

homem não usou latanoprosta e está preocupado com calvície

Tratamento com latanoprosta está em teste

Porém, muita calma nessa hora! O tratamento ainda precisa de uma maior comprovação científica para ter a eficácia validada. A maioria das referências positivas do produto são de um estudo norte-americano de 2012, em que 50% dos pacientes apresentaram diferenças significativas na densidade, na pigmentação e na espessura do cabelo.

Após cinco meses de pesquisas, comprovou-se que a densidade capilar havia aumentado 22%, em média. No entanto, a baixa amostragem (16 pacientes), a pouca variedade etária entre os indivíduos e o combate a um único tipo de queda de cabelo - a alopécia androgenética, de intensidade suave - põem em xeque a eficácia total do tratamento.

No Brasil, alguns dermatologistas estão indicando uma loção à base de latanoprosta. Segundo relatos, o tratamento faz crescer novos fios, permite que cabelos em fase de crescimento continuem a evoluir e, até, evita a queda antes do tempo previsto.

Finasterida e microagulhamento

Outros dois tratamentos servem como alternativas à latanoprosta: a finasterida e o microagulhamento. O primeiro era usado inicialmente em combate a distúrbios da próstata, mas, à medida que os usuários do medicamento perceberam que ele provocava um aumento no volume dos cabelos, o remédio começou a ser utilizado para controlar a calvície.

Um dos efeitos colaterais da finasterida, entretanto, está relacionado ao desempenho sexual, conforme explica o cirurgião plástico Otávio Boaventura, especialista em calvície:

“Cerca de 1,5% dos homens que usam o medicamento sofrem com a redução da libido e uma porcentagem semelhante pode ter disfunção erétil. Trata-se de um número baixo de pacientes que sofrem algum efeito colateral", relativiza.

Já o tratamento por microagulhamento consiste na realização de pequenos furinhos no couro cabeludo, que provocam um sangramento na região. Esse mecanismo libera o plasma rico em plaquetas e também aumentam a vascularização da região.

E são esses dois fatores, vascularização e plaquetas, que geram a formação dos fios de cabelo. Esse tratamento pode ser combinado com o minoxidil, que é uma loção capilar que tem ação vasodilatadora. Ele evita que o cabelo caia e pode estimular o crescimento em algumas áreas, como a coroa, por exemplo.

homem sem latanoprosta se preocupa com calvicie

Procure orientação médica

Seja a latanoprosta, a finasterida, o microagulhamento ou qualquer outra alternativa contra a calvície, vale lembrar que é imprescindível a completa avaliação por parte de um dermatologista ou tricologista.

O problema pode ser desencadeado por diversos fatores, e somente um médico especializado poderá diagnosticar as causas que estejam alterando a saúde capilar de cada paciente. Assim, será possível indicar o tratamento necessário às especificidades de cada um.

Gostou das dicas de beleza? Então aproveite para compartilhar o artigo com seus amigos nas redes sociais! E não se esqueça de conferir outras novidades aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
queda de cabelo
alopécia androgenética
saúde capilar
medicamento

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ