Estética

10/07/2014 06:00 - Atualizado em 09/12/2016 12:17

Tire suas dúvidas sobre a prótese de silicone, dos riscos às indicações

Implante de prótese de silicone nos seios é a segunda cirurgia plástica mais procurada no mundo.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O implante de prótese de silicone nos seios é um dos procedimentos da cirurgia plástica mais procurados no mundo, perdendo apenas para a lipoaspiração. No Brasil, cerca de 70% das cirurgias plásticas são para fins estéticos, e desse total, aproximadamente 35% corresponde à prótese de silicone.

Perguntas e respostas sobre a prótese de silicone

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A prótese de silicone pode ser utilizada para aumentar glúteos, panturrilhas, coxas e bíceps, além de queixo e maçãs do rosto, mas é usada principalmente para fins estéticos, por mulheres que não estão satisfeitas com o tamanho ou firmeza dos seus seios, ou então para reconstruir as mamas após traumas ou cirurgias de remoção de câncer.

Tire algumas das dúvidas mais recorrentes referentes ao implante de prótese de silicone:

Qual deve ser o tamanho da prótese de silicone?

O tamanho da prótese a ser implantada depende do gosto pessoal da paciente. Mas o ideal é que essa escolha seja tomada conforme a recomendação do cirurgião plástico. É importante que seja respeitada a altura da pessoa, não deixando os seios desproporcionais em relação ao resto do corpo.

Se a pessoa tem também o objetivo de perder peso, o ideal é que a meta seja alcançada antes da cirurgia, pois variações de peso no pós-operatório podem provocar flacidez na mama. A densidade de um implante é de aproximadamente 1:1, ou seja, uma prótese de 300 ml pesa cerca de 300g.

Existem riscos associados ao silicone?

Estudos que verificaram a toxicidade do silicone apontaram que a substância não é perigosa. Também já foi testado se há risco para o aumento de câncer de mama, doenças autoimunes e contaminação do leite materno, mas nada disso foi comprovado. Portanto, não há riscos para a saúde da paciente.

A prótese pode sair do lugar?

Existem diferentes técnicas de implante mamário, cada qual com suas particularidades. No caso das próteses implantadas pela axila, existe um risco um pouco maior de que o implante saia do lugar. Mas isso só tem chance de acontecer caso a paciente não siga à risca as indicações do cirurgião para o pós-operatório ou se houver um trauma muito forte, causado por um acidente.

O silicone pode vazar?

Como o gel utilizado na prótese de silicone é coesivo, mesmo que a cápsula se rompa, ele vai permanecer no local onde foi implantado. Portanto, apesar de histórias que circulam por aí, o risco de vazamento do silicone para outras partes do corpo não existe.

Qual é a validade da prótese de silicone?

A Silimed, única fabricante de próteses de silicone da América Latina, define um prazo médio de 10 anos para a validade de seu produto. Depois de terminada essa “vida útil”, o implante deve ser substituído. Mas há vários relatos, no Brasil e exterior, de pacientes que mantêm a mesma prótese por mais de 15 anos sem qualquer tipo de problema. De qualquer maneira, é importante consultas de acompanhamento pelo menos a cada 10 anos (ou menos, caso haja algum motivo) para verificar a situação da prótese.

Silicone atrapalha a mamografia?

Outra dúvida recorrente é se a prótese de silicone atrapalha a mamografia. A resposta é não, tanto para os implantes realizados abaixo da glândula quanto abaixo do músculo. O exame não atrapalha a prótese, que por sua vez não prejudica a visualização de possíveis lesões nas mamas.

Quais são os cuidados pós-operatórios?

Muito importante é atentar para os cuidados do pós-operatório, que são o uso de sutiã específico, evitar elevar os braços além dos ombros, não praticar exercícios físicos, isso tudo por 30 dias. Durante dois dias após a operação, recomenda-se repouso domiciliar. Além dessas dicas, você deve seguir atentamente as recomendações do seu médico.

Gostou do texto ? Deixe seu comentário e compartilhe sua experiência!

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ