Estética

07/03/2016 11:00 - Atualizado em 03/12/2016 09:37

O que é plasma rico em plaquetas? Conheça um tratamento bizarro

Vampire lifting já foi feito por famosas como Kim Kardashian e Gisele Bündchen.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Tem gente que faz qualquer coisa para parecer mais jovem. E “fazer qualquer coisa” muitas vezes quer dizer submeter-se a procedimentos bizarros. Por exemplo, aplicar o próprio sangue embaixo da pele para estimular a produção de colágeno. Nunca ouviu falar nisso? Então siga a leitura e descubra o que é plasma rico em plaquetas e como funciona o “vampire facelift”.

O que é plasma rico em plaquetas?

O sangue humano é composto por hemácias, leucóticos e plaquetas. Essas últimas são responsáveis por formar coágulos. Todos esses componentes circulam em suspensão em meio ao plasma - o fluido do sangue. O plasma rico em plaquetas (PRP) é, portanto, simplesmente aquele que tem uma maior concentração dessas células.

Como se obtém isso? Por meio da centrifugação. Após dez minutos em rápido movimento circular, as hemácias ficam sedimentadas e os leucócitos e plaquetas, em suspensão. O resultado é um plasma com uma concentração de plaquetas de quatro a seis vezes maior que o normal.

o que é plasma? vampire facelift

Como é aplicada a técnica?

Agora que você já sabe o que é plasma rico em plaquetas, fica a pergunta: o que isso tudo tem a ver com a pele? O que acontece é que esse fluido é usado por médicos mundo afora para tratar doenças e, mais recentemente, em tratamentos estéticos.

Com uma aplicação subcutânea do PRP extraído do sangue do próprio paciente, é estimulada a produção de colágeno no local. Assim, rugas, olheiras e cicatrizes são diminuídas e a pessoa fica com uma aparência mais jovial.

O uso dessa técnica que combina a auto-hemoterapia - injeção do próprio sangue nos músculos ou na pele - com o PRP para fins estéticos ganhou o nome de vampire facelift, termo cunhado pelo cirurgião plástico americano Charles Runels. O método ficou popular depois que famosas como Kim Kardashian, Gisele Bündchen e Luciana Gimezes fizeram o tratamento.

Procedimento é controverso

Os interessados na técnica precisam refletir se realmente vale a pena tentar o lifting de vampiro. Apesar de, em vários países, profissionais e pacientes afirmarem que a técnica dá resultado, o assunto é polêmico.

Uma pesquisa feita na faculdade de Medicina da Universidade Nacional da Coreia e publicada no Journal of Plastic, Reconstructive & Aesthetic Surgery em 2011 testou a injeção de PRP em camundongos e notou que houve rejuvenescimento da pele, envelhecida artificialmente com raios ultravioleta.

Já uma pesquisa de 2012, conduzida por pesquisadores do Departamento de Cirurgia Ortopédica da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, sugere que, quando as células são expostas a um ambiente não natural, como o processo de centrifugação, o comportamento do produto resultante pode ser imprevisível quando reaplicado no organismo.

o que é plasma, luciana gimenez?

No Brasil, a auto-hemoterapia, seja para fins estéticos ou terapêuticos, é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). O médico que aplicar essa técnica está cometendo uma infração e pode, além de ser multado, perder seu registro profissional.

Depois disso, você ainda quer experimentar o tratamento? Se restou alguma dúvida sobre o assunto, deixe um comentário abaixo. Não se esqueça de compartilhar o artigo nas redes sociais e de conferir outras dicas de beleza aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
rejuvenescimento
vampire facelift
auto-hemoterapia
PRP

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ