Estética

15/03/2015 01:34 - Atualizado em 02/12/2016 05:36

Entenda os perigos do tratamento com laser CO2 fracionado

Laser CO2 fracionado reduz marcas e rugas na pele, mas tratamento é repleto de riscos.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Utilizado para reduzir as marcas de expressão e as rugas, o laser CO2 fracionado funciona como abrasivo, queimando a pele. Conforme ela vai cicatrizando, estimula-se a produção de colágeno, retraindo a epiderme.

O tratamento remove camadas inteiras da pele. Quem controla o quanto será tirado é o programador dos raios laser. Com uma recuperação bastante lenta, em função das grandes lesões, o procedimento pode causar manchas e marcas mais agressivas ao rosto.

Porém, o alvo do laser é a água do corpo, por isso ele não atinge as camadas mais profundas do tecido epitelial. Saiba por que utilizar o laser CO2 fracionado é perigoso e conheça as indicações e contraindicações do tratamento.

laser co2 fracionado

Laser CO2 fracionado tem restrições

Pessoas de pele negra, com cicatrizes ou queloides ou portadoras de vitiligo, lúpus e outras doenças hipersensíveis não podem se submeter ao tratamento com laser CO2 fracionado. As proibições se estendem para quem possui herpes ou outras infecções na pele.

Contraindicado para os indivíduos que utilizam medicamentos fotossensibilizantes, anticoagulantes orais e demais produtos que combatem a acne, o procedimento é absolutamente vetado em gestantes. A falta de estudos que comprovem sua segurança é a razão para todas as restrições.

Em razão da sensibilidade à qual a pele fica exposta no tratamento com laser CO2 fracionado, é grande o risco de infecções após o uso. O processo também pode provocar cicatrizes, queloides e manchas.

A pigmentação desproporcional é outro problema comum em quem opta por utilizar a técnica. Eritemas e vermelhões na pele podem surgir eventualmente.

Os eritemas podem permanecer durante 15 dias, enquanto a coloração vermelha na pele pode durar mais de um mês. Cremes e pomadas são administrados pelo médico para agilizar a recuperação.

Cuidados com o laser CO2 fracionado

Previamente ao tratamento, pode ser necessário realizar procedimentos preventivos com o dermatologista. Antes da sessão, a pele precisa estar livre de oleosidade e completamente limpa. O paciente não pode estar bronzeado e não deve utilizar cremes e ácidos por dois dias antes.

Quem busca o rejuvenescimento da pele por meio do laser CO2 fracionado pode remover cicatrizes e estrias e reduzir a flacidez. No tratamento das rugas, os raios atingem superfícies da pele que permitem nivelá-la e dar um aspecto mais esticado.

Nas áreas agredidas da pele, a cicatrização faz com que maior quantidade de colágeno seja produzida para curá-la. Assim, o rosto fica com aparência mais jovem. Ele também é usado em cirurgias íntimas para mudar a estética da vulva.

Além disso, pode corrigir bolsas nos olhos e nas pálpebras com a blefaroplastia a laser. Nos usos terapêuticos, os raios tratam pintas benignas, lesões pré-malignas e verrugas virais, bem como queloides e outras lesões da pele.

A quantidade de sessões depende do objetivo de cada paciente, podendo variar entre duas e cinco. O intervalo entre elas segue a orientação do médico, mas em geral vão de 45 dias a três meses. O procedimento dura de 20 a 30 minutos.

Os efeitos do laser CO2 são duradouros, mas é necessário consultar o médico todos os anos para verificar se são necessárias reaplicações.

Gostou das dicas de beleza? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro de todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
pele
colágeno
rugas
tratamento a laser

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ