Terceira Idade

26/11/2015 07:14 - Atualizado em 26/11/2016 09:52

Foxtrot deixa a dança de salão mais sofisticada

A atividade é divertida e dinâmica, tornando-se uma ótima opção para idosos se manterem em forma.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Já está comprovado que praticar atividades físicas na terceira idade traz muitos benefícios para a saúde física e mental. Ainda assim, é preciso ter cuidado na hora de escolher o exercício e buscar opções adequadas para as limitações de cada um. Por isso, as danças de salão são muito indicadas, entre elas o foxtrot.

Esse tipo de dança é divertido e dinâmico, sendo conhecido por entusiasmar tanto quem pratica quanto quem assiste às apresentações. Com movimentos longos e contínuos executados em par, tem desde versões calmas até as mais agitadas, que são guiadas ao som de músicas de jazz.

Conheça melhor o foxtrot

O foxtrot possui diferentes explicações para seu surgimento. Uma das principais é que ele veio da África, a partir de danças primitivas que imitavam uma raposa, daí o nome “fox” (que significa “raposa” em inglês). Outra história atribui a sua origem ao responsável pela sua divulgação, o ator americano Harry Fox, que em 1914 criou essa dança para animar os espetadores do Teatro de Nova York.

casal de idosos dançando foxtrot

Ao longo do tempo, o foxtrot foi se espalhando pelo resto do mundo e dando origem a variações. A modalidade influenciou dois tipos de dança: uma mais lenta, que ficou com o nome original, e uma mais rápida, que foi denominada como quickstep.

As principais características dessa dança são os movimentos longos e contínuos, executados pelo par de dançarinos em sentido anti-horário, com círculos ao longo de toda a pista. É uma modalidade animada e dinâmica, mas com uma caráter elegante e sofisticado, associada à música de grandes bandas de jazz

Benefícios da dança para a saúde

O foxtrot é um ótimo exercício cardiovascular, ajudando a manter o coração saudável e melhorando a capacidade respiratória. A atividade utiliza muitos dos principais grupos musculares do corpo, o que aumenta a força e a resistência muscular, além de reduzir a perda de densidade óssea e incentivar a postura adequada e o alinhamento esquelético.

A dança melhora a flexibilidade e a agilidade, aumentando também a mobilidade das articulações e a coordenação motora, o que ajuda a evitar problemas de locomoção e até mesmo as quedas, algo muito comum entre os idosos.

Saiba Mais
Dança circular: Brincadeira de ciranda também serve para idosos
Dançar jazz ajuda a deixar o corpo em forma
Danças brasileiras valorizam a cultura e fazem bem para o corpo

Segundo o Ministério da Saúde, em parceria com o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), estima-se que um em cada três indivíduos com mais de 65 anos sofra com quedas, e que um em vinte daqueles que tiveram uma queda tenham uma fratura ou necessitem de internação. Entre os mais idosos, acima de 80 anos, 40% caem a cada ano.

Além da melhora física, a dança também proporciona benefícios para a saúde mental e emocional dos idosos, sendo uma ótima terapia para promover a interação social e a prevenção de quadros de depressão.É uma atividade agradável e divertida, em que as pessoas se exercitam de forma leve e conquistam mais bem-estar.

Outra vantagem da dança para os idosos é que ela possui baixo impacto e pode ser adaptada conforme as características e as limitações de cada pessoa.

Ficou interessado no foxtrot? Deixe um comentário! E aproveite para conferir outras dicas de saúde e atividade física aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
jazz
exercício para idosos
coordenação motora
dançar

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ