Marcello Paiva / 30tododia

ESPECIALIDADE

Educação Física

ONDE ATENDE

contato@30tododia.com.br

Marcello Paiva / 30tododia

Apresentação

Marcello Paiva é professor de educação física e idealizador do 30tododia, um canal de comunicação de saúde contra o sedentarismo.

O que Trata

O objetivo do 30tododia é mostrar que um estilo de vida saudável está ao alcance de todos.
Seus conteúdos e motivação inspiram hábitos saudáveis simples de adotar, tornando o dia a dia cada vez melhor.
Como diz o Marcello: “Você não precisa ir muito, você só precisa ir.”

Formação Acadêmica

Graduado em Educação Física Plena pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Marcello também é pós-graduado em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. 

Cargos e Títulos

Marcello é professor de Educação Física e trabalha há 15 anos como personal trainer nas melhores academias do Rio de Janeiro.

Se sua dúvida for escolhida, ela vira artigo aqui no portal e ajuda milhares de pessoas.

Musculação

12/10/2015 06:00 - Atualizado em 04/12/2016 11:33

Musculação na infância? Especialista fala sobre a prática entre crianças

César Marra, colaborador do 30tododia, explica o processo de treinamento para crianças e adolescentes.

POR

Marcello Paiva / 30tododia

  • +A
  • -A

Musculação pode ser um exercício para a criançada, mas com muito cuidado.

E você, pratica exercício com seu filho? Pode ser uma boa pedida! Confira o artigo de César Marra, colunista do 30tododia,e entenda como a musculação pode mexer na estrutura do seu filho e como acompanhá-lo para que essa prática seja sempre saudável!

Criança x Exercício

Recentemente muito ainda se questiona se a atividade física para crianças, incluindo a musculação, é recomendável e qual a quantidade ideal.

Vamos por partes:

1. Massa óssea

O osso não vai crescer com exercícios? 

Em relação ao osso, crianças que adotam um estilo de vida ativo possuem uma massa óssea maior que os sedentários. Os benefícios do exercício regular sobre o aumento da massa óssea e o formato e tamanho dos ossos são maiores durante a infância e adolescência, quando ocorre um maior grau de aumento na massa óssea máxima.

A associação entre alguns esportes e a baixa estatura como por exemplo, as crianças praticantes de ginástica são de baixa estatura e é na verdade mais uma associação inversa, ou seja, elas são baixas por isso procuram a ginástica. Assim com atletas de vôlei e basquete são altos pelo fato delas procurarem esse esporte.

2. Efeitos sobre o sistema cardiovascular

A criança pode ter problemas ou alterações cardíacas?

As frequências cardíacas são mais altas em crianças do que em adultos durante o exercício. Isso  é devido a um menor volume de ejeção pelo coração por ele ser de tamanho menor. Assim sendo, a diferença artério venosa fica aumentada para atender às necessidades de oxigênio do corpo em atividade.

O significado fisiológico dessa diferença entre crianças e adultos não demonstram qualquer deterioração no exercício relacionada com a idade do praticante.

As adaptações fisiológicas do coração, incluindo uma menor frequência cardíaca em repouso, o volume de ejeção aumentado e as espaços ventriculares internas , ocorrem também em crianças que são submetidas a um treinamento intenso de resistência cardiorrespiratória, como por exemplo, corridas e natação.

No entanto, em crianças, percorrer grandes distâncias das corridas sobrecarregam a cartilagem articular, o que poderia lesionar a placa de crescimento do osso e afetar negativamente o crescimento e o desenvolvimento.

Saiba Mais
Tire suas dúvidas sobre musculação feminina
Musculação na gravidez fortalece o corpo da futura mamãe
Musculação, Aeróbio e Alongamento

3. Exercícios de musculação 

A musculação irá afetar o crescimento da criança?

Muitos consensos sobre exercícios físicos não abordam os benefícios e possíveis riscos do treinamento de resistência (musculação) para crianças, em grande parte por causa dos dados limitados acerca desse tópico. Os dados de estudo se contrapõem principalmente por causa da ética em pesquisa. Não se pode testar uma coisa, se essa coisa pode causar algum dano em alguém.

O treinamento de resistência em crianças seria capaz de induzir aprimoramentos significativos da força?

O perfil hormonal de uma criança ainda está em fase de desenvolvimento. Crianças assim como os adultos aumentam a força muscular com a musculação. As crianças apresentam uma capacidade limitada de aumentar a massa muscular, devido principalmente aos baixos níveis de androgênios.

O treinamento de resistência supervisionado, que utiliza apenas contrações musculares concêntricas com repetições relativamente altas e baixa resistência, aprimora a força muscular de crianças e adolescentes sem nenhum efeito adverso sobre o osso, o músculo ou tecido conjuntivo.  

A aprendizagem e a ativação neuromuscular aprimorada, e não os aumentos substanciais no tamanho dos músculos sejam responsáveis pelos aprimoramentos de força relativamente rápidos observados em crianças.

Fazer musculação vai promover lesões em crianças?

A possibilidade de ocorrerem lesões em virtude da sobrecarga musculoesquelética excessiva deixam muitos pais e até mesmo profissionais preocupados.

Diversos estudos mostraram que crianças que realizaram treinamento de força tiveram menor índices de lesões do que os que não praticavam. Grande parte das dados dos estudos sobre lesões no treinamento de força em crianças ocorreram com equipamentos de musculação domésticos ou em locais sem supervição. Além disso os índices de lesões em treinamento de força com acompanhamento foram menores do que aqueles que ocorrem em outros  tipos de esportes.

Qual a quantidade de musculação a criança deve fazer de acordo com a idade?

Para terminar uma revisão feita pelos maiores pesquisadores (Fleck e Kramer) do treinamento de força do meio científico.

  

4. Diretrizes para o Treinamento com Exercícios de Resistência e Progressão em Crianças e Adolescentes

7 anos ou menos:

Introduzir a criança aos exercícios básicos com pouco ou nenhum peso; elaborar o conceito de uma sessão de treinamento; ensinar as técnicas do exercício; progredir de calistenia com utilização do peso corporal, exercícios com parceiros e exercícios levemente resistidos; manter o volume baixo.

8 a 10 anos:

Aumentar gradualmente o número de exercícios; praticar a técnica do exercício em todos os levantamentos; começar com uma carga progressiva e gradual dos exercícios; proporcionar exercícios simples; aumentar gradualmente o volume do treinamento; monitorar com extremo cuidado a tolerância ao estresse do exercício.

11 a 13 anos:

Ensinar todas as técnicas básicas dos exercícios; continuar com uma carga progressiva de cada exercício; enfatizar as técnicas dos exercícios; introduzir exercícios mais avançados com pouca resistência.

14 a 15 anos:

Progredir para programas mais avançados para jovens no exercício de resistência; acrescentar componentes específicos para cada esporte; enfatizar as técnicas do exercício; aumentar o volume.

16 anos ou mais:

Conduzir a criança para programas adultos de nível inicial depois que todo o conhecimento básico foi dominado e após ter conseguido um nível elementar de experiência com o treinamento.

5. Conclusão

A musculação não mostrou efeitos adversos para a estatura, para os ossos, ou para o sistema cardiovascular. Não há problema nenhum uma criança realizar um treinamento de força. Desde de que sejam seguidas as diretrizes e acompanhado por um profissional bem qualificado para acompanhar essa atividade.

Texto de César Marra, colaborador do 30tododia.


Desafio da Semana

Participe! Tire uma foto e poste no Instagram com as hashtags #vivomaissaudavel e #30tododia!

Participe! Tire uma foto e poste no Instagram com as hashtags #vivomaissaudavel e #30tododia!

Referências:

American College of Sports Medicine. Position stand on osteoporosis and exercise. Med Sci Sports Exerc 1995;27:I.

American College of Sports Medicine. Position stand on physical activity and bone health. Med Sci Sports Exerc 2004;36:1985.

Pescatello LS, et al. Daily physical movement and bone mineral density among a mixed racial cohort of women. Med Sci Sports Exerc 2002;34:1966.

Nelson DA, Bouxsein ML. Exercise maintains bone mass, but do people maintain exercise? J Bone Miner Res 2001;16:202.

Kraemer WJ, Fleck SJ. Strength training for young athletes. Champaign, IL: Human Kinetics, 1993.

Faigenbaum A, et al. The effects of different resistance training protocols on muscular strength and endurance development in children. Pediatrics 1999;104.

Ozmun JC, et al. Neuromuscular adaptations following prepubescent strength training. Med Sci Sports Exerc 1994; 26:510.
Payne VG, et al. Endurance training in children and youth: a meta‑analysis. Res Q Exerc Sport 1997; 68:80.

Almeida SA, et al. Epidemiological patterns of musculoskeletal injuries and physical training. Med Sci Sports Exerc 1999;31:1176.

Jones BH, et al. Epidemiology of injuries associated with physical training among young men in the army. Med Sci Sports Exerc 1993;25:197.

Obert P, et al. Effect of long‑term intensive endurance training on left ventricular structure and diastolic function in prepubertal children. Int J Sports Med 1998;19:149.

Rowland T, et al. Cardiac responses to maximal upright cycle exercise in healthy boys and men. Med Sci Sports Exerc 1997; 29:1146.

Rowland T, et al. Cardiac responses to exercise in normal children: a synthesis. Med Sci Sports Exercise 2000; 32:253.

Turley KR, Wilmore JH. Cardiovascular responses to treadmill and cycle ergometer exercise in children and adults. J Appl Physiol 1997;83:948.

TAGS
academia para crianças
musculação infantil
musculação
atividade física

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ