Esporte

11/11/2014 11:40 - Atualizado em 02/12/2016 03:13

Superar obstáculos é objetivo do Parkour

De origem francesa, Parkour pode ser considerado atividade física e até filosofia de vida.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Não é fácil definir o parkour: enquanto alguns o consideram uma simples atividade física, outros o interpretam como uma filosofia de vida. Há também quem defenda a prática como esporte consolidado e mesmo aqueles que torcem o nariz, relegando sua legitimidade e associando os praticantes à criminalidade. Assim, a melhor forma de definir o exercício é conhecê-lo de forma aprofundada e livre de preconceitos.

Parkour tem origem francesa

Também conhecido como Le Parkour ou pela abreviação PK, o conceito da prática foi definido por David Belle e os irmãos Yahn, Frederic Hnautra e David Malgogne, em Paris, na década de 80. Fascinados pelo condicionamento físico e ansiosos por superar obstáculos, ele tiveram como inspiração o Método Natural de Educação Física desenvolvido por Georges Hébert no século 20. O método é considerado uma das bases da Educação Física como hoje é conhecida, e consistia em trajetos com obstáculos que deveriam ser superados de forma tão natural quanto possível.

parkour

Além disso, um treinamento militar criado por soldados franceses na Guerra do Vietnã, com base nos ensinamentos de Hébert, também foi referência para a consolidação do conceito teórico do Parkour. Conhecido como parcours du combattant, esse método acabaria dando origem ao nome do esporte recém concebido. O praticante masculino é chamado de traceur, enquanto as mulheres são denominadas traceuse.

Superar obstáculos é o objetivo

Na essência, o Parkour pode ser definido como uma prática que visa à superação de obstáculos da forma mais rápida, objetiva e direta possível. Para isso, várias técnicas específicas são exigidas, como saltos, rolamentos e escaladas. Mesmo entre os praticantes, o conceito é alvo de polêmica. Isso porque a vertente do esporte que faz uso de acrobacias estéticas, como giros, piruetas e saltos mortais, é tida por alguns como um ultraje à essência da filosofia, pois trai a ideia de vencer obstáculos de forma objetiva e eficiente.

Para que seja possível otimizar o desempenho, deslocando-se de forma veloz e exitosa, é necessário treinar o corpo e a mente, adequando o condicionamento físico. Interpretado como uma arte, o movimento é cultuado em sua forma mais natural. Por isso, não há restrições de local, idade ou gênero para praticar. Cada um é livre para se adaptar e escolher as alternativas que lhe sejam favoráveis, dentro da filosofia cultuada pelo esporte. Assim, se você quiser praticar descalço em um parque, ou de tênis em um conjunto de condomínios, a opção é sua. O corpo é a única ferramenta imprescindível para o exercício.

Praticantes do Parkour são alvo de preconceito

É comum que os praticantes do esporte sejam vistos como meliantes ou marginais, em virtude do método como a prática é desempenhada. Muitas pessoas são surpreendidas quando observam um grupo de homens e mulheres deslocando-se pela rua em alta velocidade, escalando muros, superando escadarias e saltando com alta técnica. Num primeiro momento, há quem interprete o movimento inclusive como uma fuga da polícia, por exemplo.

É importante entender, contudo, que o praticante do Parkour age dentro das leis, respeitando a propriedade pública e privada, sem exceções. O esporte nada tem a ver com vandalismo ou violência. Com a popularização e o ingresso de novos adeptos, quem está envolvido com o movimento espera que o preconceito seja deixado de lado para que o exercício seja reconhecido como esporte ou mesmo como filosofia de vida, mas nunca como crime.

Gostou das dicas? Então deixe um comentário! E não esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar ligado em todas as novidades do Vivo Mais Saudável.

TAGS
atividade física
exercícios
saúde
corpo

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ