Esporte

20/09/2015 02:40 - Atualizado em 23/11/2016 09:13

Balonismo requer investimento financeiro

O primeiro balão foi inventado por um brasileiro no ano de 1700.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Mesmo se você não for fã das alturas, é preciso admitir que o balonismo encanta pela leveza e pelo colorido que dá aos céus. A prática geralmente é admirada de longe, mas também é possível aproveitar passeios guiados durante festivais.

Agora, se a sua vontade é tornar-se piloto de balão e fazer disso um hobby, é bom se preparar. Conheça mais sobre a história do esporte e saiba o que é preciso para tirar os pés do chão.

balonismo na praia

Como o balonismo nasceu

Segundo dados da Confederação Brasileira de Balonismo (CBB), a primeira demonstração conhecida de um objeto que viria a ser um balão seria do padre Bartholomeu de Gusmão, brasileiro. Em meados de 1700, ele mostrou ao rei João V, de Portugal, um veículo que subiu cerca de quatro metros de altura, mas se incendiou.

Após o fato, há registros de que, em 1783, na França, os irmãos Etienne e Joseph Montgolfier realizaram um teste com um balão que levou alguns animais a bordo e voltou ao solo em ótimas condições. O momento foi presenciado pelo rei Luis XVI e por toda Paris da época.

Além disso, em 1898, o brasileiro Santos Dumont construiu um balão com cerca de 186 metros quadrados e uma hélice, projeto que serviria posteriormente para a construção do famoso 14 Bis.

De acordo com a CBB, o balonismo como esporte surgiu no Brasil nos anos 1970, quando Victorio Truffi realizou seu primeiro voo na cidade de Araraquara, em São Paulo. Entretanto, somente 17 anos depois a prática foi regulamentada pela confederação e teve seu primeiro campeonato brasileiro.

Atualmente, segundo a órgão regulador do esporte, existem em todo o mundo cerca de 15 mil balões. 11 mil deles estão concentrados nos Estados Unidos, 1,2 mil na França e 1,5 mil na Inglaterra. O Brasil conta com 140 pilotos e tem aproximadamente 200 balões ao todo.

Saiba Mais
Ganhe definição muscular com a prática do remo
Ciclismo tem diversos benefícios à saúde
Voos de wingsuit exigem preparo e muita técnica

Onde praticar o balonismo no Brasil

Apesar de ser permitido a todos após a devida capacitação, o esporte requer um importante investimento financeiro. O curso, o equipamento e sua manutenção custam caro, o que pode afastar o público em geral.

Geralmente, as aulas de pilotagem têm duração de três meses e 16 horas de voo prático. A pessoa começa com aulas de adaptação, exame médico na Aeronáutica - que verifica a aptidão física para o esporte -, aulas teóricas e práticas, processo de habilitação no Departamento de Aviação Civil (DAC) e, por fim, os voos de provas.

O valor aproximado do investimento é de 15 mil reais, mais despesas com combustível e processo de habilitação.

Segundo a CBB, a prática do balonismo no Brasil é regulamentada e fiscalizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Até mesmo para realizar e operar voos panorâmicos turísticos o piloto precisa ter registro na modalidade táxi-aéreo, além do equipamento certificado. No portal da ANAC há uma lista de empresas cadastradas e regulamentadas para capacitar pilotos.

Além disso, estados como Acre, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo realizam festivais e campeonatos de balonismo nos quais os passeios em balões são oferecidos ao grande público.

O que você achou do artigo? Deixe seu comentário! E aproveite para conferir mais dicas de saúde e atividade física aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
voo
alturas
balão
pilotagem

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ