É Bom Pra Quê?

17/07/2015 11:14 - Atualizado em 05/12/2016 10:42

Avalie os prós e contras do óleo de girassol na alimentação

Conheça as propriedades nutricionais deste produto e como utilizá-lo de forma saudável.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O óleo de girassol é fonte de vitamina E, importante nutriente na hora de garantir um organismo saudável. No entanto, por ser rico em ácidos graxos, deve ser consumido com moderação para evitar diversas consequências para a saúde.

A maneira como você prepara os alimentos reflete diretamente no índice nutricional da refeição. Por isso, todo o processo deve ser feito com atenção para garantir um cardápio saudável e funcional. Veja como utilizar o óleo de girassol sem medo.

oleo de girassol

Como consumir óleo de girassol de maneira saudável

Os óleos ricos em gordura saturada e os de origem animal, como manteiga, são mais prejudiciais à saúde que os produtos com gordura não saturada. Nessa última categoria, estão o óleo de girassol e o azeite de oliva.

No lado positivo, o óleo de girassol é rico em ácido linoleico e tocoferois (vitamina E), que auxiliam na redução do colesterol no sangue. Outra característica é a presença de triptofano, um aminoácido que ajuda a aumentar a produção de serotonina, neurotransmissor relacionado ao bom humor.

O ideal é que o produto seja consumido in natura, ou seja, em saladas ou sobre outras receitas. Quando submetido ao calor, o óleo de girassol perde propriedades nutricionais e acaba se tornando prejudicial à saúde.

Se você não quiser abrir mão de frituras na sua dieta, opte pelos óleos vegetais e frite os alimentos pelo menor tempo possível, minimizando os danos da gordura. O ideal é que você os combine com outros itens saudáveis e frescos. Não faça da fritura o seu prato principal diário, evitando assim consequências como obesidade, dores nas articulações e diabetes.

De sabor marcante, o óleo de girassol tem preço um pouco mais elevado, quando comparado a outras variedades.

Óleo não eleva risco de problemas cardíacos

Um estudo publicado em 2012 pela Universidade Autônoma de Madri afirmou que não existe correlação entre fritura com óleo de girassol ou azeite de oliva e problemas cardíacos ou mortes prematuras. Os dois tipos de óleos são ricos em gordura não saturada, mas não aparecem como risco.

Contudo, a pesquisa afirma que o mesmo não se aplica a outros óleos de cozinha, como os de origem animal. O estudo contou com cerca de 40 mil adultos, com hábitos alimentares variados, que foram acompanhados ao longo de 11 anos.

Vale lembrar que uma alimentação balanceada reflete diretamente na saúde do organismo. Uma dieta saudável pode reduzir os riscos de doenças do coração e até mesmo câncer.

Mesmo que a pesquisa revele que a fritura com o óleo de girassol não esteja relacionada diretamente a problemas cardíacos, o consumo regular de alimentos fritos pode desencadear uma série de outros problemas, especialmente pelo alto nível calórico. Portanto, lembre-se: moderação e equilíbrio são a chave para um cardápio de qualidade.

Você tem o costume de utilizar o óleo de girassol em suas receitas? Na sua opinião, qual a melhor maneira de aproveitar o produto de forma saudável? Deixe seu comentário! E aproveite para conferir mais dicas de alimentação aqui no Vivo Mais Saudável.

TAGS
fritura
óleo de cozinha
vitamina E
coração

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ