Alimentação Infantil

22/02/2016 10:00 - Atualizado em 29/11/2016 07:12

Relactação: Ajude seu bebê a mamar no peito

Técnica serve para estimular a produção de leite da mãe ou acostumar o bebê ao seio materno.

POR

Redação

  • +A
  • -A

O desenvolvimento de um bebê só é possível graças ao leite materno. Ao amamentar, além de garantir a saúde da criança, a mãe constrói com o filho laços afetivos que vão durar a vida toda. Muitas mulheres, porém, enfrentam algum problema durante esse processo, seja por falta de leite ou por dificuldade do bebê em mamar. Quando isso acontece, entra em cena a relactação.

Esse é o nome dado a uma técnica que tem como objetivo normalizar a amamentação. Com ela, o bebê se alimenta com leite artificial especial, por meio de uma sonda fixada no peito da mãe.

mãe tenta relactação com bebê

Quando a relactação é necessária

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), o leite materno deve ser o único alimento de bebês até os 6 meses de idade. Só depois daí que o organismo começa a ser capaz de digerir outros alimentos - e também passa a necessitar nutrientes que não são encontrados no leite produzido pela mãe.

A necessidade de relactação, portanto, se dá quando a mulher enfrenta algum entrave no processo. Os motivos mais comuns para isso são:

1. A mãe produz leite em pouca quantidade ou demora para começar a produzi-lo. Nessas situações, a alimentação do bebê precisa ser complementada e o organismo da mulher estimulado, pela sucção, a produzir mais leite. Situações estressantes podem inclusive inibir a produção da ocitocina, hormônio essencial para a amamentação.

2. O bebê nasceu prematuro e, portanto, também precisa de alimentação complementar. Tanto nesse caso quanto no anterior, recomenda-se a sonda no seio da mãe para não haver confusão de bicos - quando a criança pode perder o interesse no peito, ocasionando o desmame precoce.

3. Estimular a produção de leite em mães adotivas. Nesse caso, o processo recebe o nome de lactação induzida, ou lactação adotiva. A sucção do bebê estimula a liberação dos hormônios da amamentação.

4. A mãe que passou por procedimentos cirúrgicos - como a redução de mama, por exemplo - e tem dificuldade para amamentar, precisando do procedimento para estimular a produção de leite.

5. O bebê, nos seus primeiros meses, tem dificuldade para abocanhar e sugar o peito. A sonda pode ser utilizada nesses casos até que ele se desenvolva e consiga mamar corretamente.

6. Por algum motivo, há o desmame precoce.

mãe faz relactação com filho

Como fazer a relactação

Alguns detalhes da relactação vão depender do motivo pelo qual a técnica será adotada. Se o objetivo é evitar que o bebê perca o interesse pelo peito, quando o processo é chamado de translactação, por exemplo, o leite utilizado é ordenhado da própria mãe.

Quando o problema é na produção de leite por parte do organismo da mãe, a relactação é feita com leite artificial e costuma durar pelo menos duas semanas, podendo chegar a 45 dias, até que a amamentação seja normalizada. Seja qual for a situação, o ideal é sempre utilizar a técnica conforme a orientação do médico para não haver dúvidas.

Geralmente, o processo é muito simples. O leite, seja da mãe ou artificial, é colocado em um recipiente, do qual sai uma sonda fina cuja ponta é fixada no seio da mãe com uma fita adesiva micropore. O bebê suga a sonda no peito materno, aprendendo o mecanismo de sucção e estimulando as glândulas mamárias.

É possível preparar todos os equipamentos em casa, mas se recomenda adquirir kits prontos que incluem o copo com tampa furada e a sonda. Essa, aliás, deve ser trocada semanalmente. Basta ir a uma farmácia e pedir por uma sonda nasogástrica pediátrica, número 4 ou 5.

Que achou das dicas? Deixe um comentário e contribua com a troca de ideias! Não se esqueça de compartilhar o conteúdo com seus seguidores nas redes sociais e de acompanhar as novidades de saúde e alimentação do Vivo Mais Saudável.

TAGS
translactação
amamentação com sonda
leite materno
recém-nascido

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ