Alimentação Infantil

14/06/2014 09:00 - Atualizado em 28/11/2016 03:56

Papinha industrializada tem ingredientes desnecessários e menos nutrientes

Papinha industrializada deve ser usada apenas em casos de exceção.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Após os 6 meses de idade, além de continuar a mamar, o bebê já pode comer alguns alimentos. Muitas mães utilizam a papinha industrializada, mas é bom saber: nada substitui a caseira. A papinha industrializada possui ingredientes desnecessários, menos nutrientes e, em alguns casos, conservantes.

papinha industrializada

Foto: Shutterstock

Deixe a papinha industrializada de lado

Existem várias receitas de papinha caseira. Confira uma versão prática e nutritiva que separamos para o seu bebê:

Ingredientes

- 2 mandioquinhas 
- 2 cenouras 
- 2 beterrabas 
- 1 cebola 
- 3 folhas de alface 
- 1 colher rasa de sopa de azeite extra virgem
- 1 pitada de sal marinho
- Salsinha (a gosto)

Preparo

Lave bem os vegetais e descasque os que forem necessários. Leve-os para ferver em água filtrada e os deixe cozinhar até ficarem macios (não por muito tempo nem com muita água para não perder seus nutrientes). Processe-os até ficar com a consistência de papa homogênea e coloque nos frascos. Armazene na geladeira e consuma em até dois dias. Apenas duas horas em temperatura ambiente são suficiente para descongelar um potinho ou aqueça em banho-maria.

Você também pode fazer papinha de frutas. A banana, o mamão e o abacate são exemplo de frutas que já tem a consistência pronta. A maçã pode ser preparada no vapor ou na água quente, até formar consistência macia e poder ser esmagada. As papinhas de fruta não podem ser congeladas e devem ser consumidas no mesmo dia. E esta é outra vantagem de deixar a papinha industrializada de lado: você pode usar frutas frescas, um ótimo motivo para visitar a feirinha local e comprar vegetais para toda a família.

Dicas para a alimentação do bebê

- Continue amamentando após os 6 meses e introduza alimentos aos poucos.

- Não misture alimentos do mesmo grupo alimentar.

- A consistência deve ser pastosa e não semilíquida (caso de muitas versões da papinha industrializada).

- Nas papinhas de frutas, não acrescente água, açúcar ou farinha (também é o caso das industrializadas).

- Não repita frutas no mesmo dia - tente variar. Nenhuma criança gosta de todas as frutas, então dando várias é mais fácil de ela encontrar as preferidas.

- Ao cozinhar o feijão, não utilize somente o caldo, mas também os grãos amassados.

- A quantidade de alimentos por refeição e a consistência variam de acordo com a idade da criança e com a criança, pois algumas aceitarão volumes maiores ou menores por refeição.

- A partir de 6 meses: alimentos bem amassados; começar com duas a três colheres de sopa e aumentar a quantidade conforme aceitação.

- De 9 a 11 meses:  alimentos bem cortados ou levemente amassados;  3/4 de um pote de 250 ml.

- De 12 a 24 meses: alimentos bem cortados ou levemente amassados; tigela de 250 ml.

É nesses primeiros meses após o período de aleitamento exclusivo que o bebê começa a descobrir seu paladar. Permita que ele sinta sabores diferentes, porque isso trará vantagens para seu filho e para você (sem complicações na hora da refeição).

Compartilhe conosco sua receita de papinha de bebê.

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ