Alimentação Infantil

26/03/2016 07:00 - Atualizado em 21/11/2016 04:50

Forçar alimentação pode levar a obesidade na adolescência

Nutricionista alerta sobre a importância do estímulo consciente à alimentação saudável.

POR

Redação

  • +A
  • -A

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, e publicada no jornal Pediatrics faz um alerta aos pais: pressionar as crianças a comer pode contribuir para a obesidade na adolescência.

No entanto, fica a dúvida: em que ponto o incentivo para o jovem comer direito se transforma em pressão? O Vivo Mais Saudável conversou com o nutricionista PhD em bioquímica e professor Rafael Longhi, que traz detalhes sobre o assunto. Confira a seguir.

menino come sanduíche e terá obesidade na adolescência

Causas da obesidade na adolescência

Rafael conta que os principais fatores que contribuem para a obesidade na adolescência são a má alimentação e o sedentarismo. "Temos que entender que as escolhas alimentares e de estilo de vida influenciarão diretamente sua fase adulta", alerta o profissional.

Segundo ele, a produção de novas células de gordura tem seu maior pico na adolescência. Ou seja, numa alimentação rica em calorias vazias, com alto consumo de fast food, farináceos não integrais e açúcar refinado, "é como se vocês fossem engenheiros que estão construindo um edifício com areia de praia e não com cimento e tijolos. A saúde ficará frágil", explica.

Contudo, pressionar as crianças a comer alimentos saudáveis pode não ser eficaz. A palavra correta seria "orientar", na opinião do profissional.

Essa orientação deve vir desde cedo, pois a formação dos hábitos alimentares começa já no primeiro ano de vida. Se isso é desenvolvido de forma positiva, a criança reagirá com naturalidade a uma alimentação saudável, pois foi estimulada a isso durante toda a vida.

Como evitar o sobrepeso na adolescência

O nutricionista faz um alerta importante: nutrir não é sinônimo de “entupir” a criança de comida. "Há uma grande diferença entre alimentar-se e nutrir-se", reforça.

Alimentos nutritivos como frutas, hortaliças e farinhas integrais geram mais saciedade, pois têm mais fibras, vitaminas e minerais, em comparação aos processados. Esses, por sua vez, são ricos em açúcares simples e possuem baixa saciedade - por isso, as crianças acabam insatisfeitas e comem quantidades maiores.

Rafael afirma que um nutricionista especializado na área infantil tem as ferramentas certas para diagnosticar se a alimentação está sendo suficiente. "De uma forma geral, excesso de peso, baixo rendimento escolar, sedentarismo, sono prejudicado ou até mesmo hiperatividade podem ser sinais de um déficit nutricional. Por isso, procurar um nutricionista é fundamental nesses casos", completa.

"Alimentação correta desde a infância requer amor e cuidado. Ofereça diversas vezes o mesmo alimento saudável para a criança, assim ela aprenderá e levará esse conhecimento para toda a vida", aconselha o profissional.

Além disso, lembre-se de estimular à prática de atividades físicas desde cedo. Crianças que passam horas em frente a televisão ou ao computador acabam mais propensas a desenvolver sobrepeso.

Qual a sua opinião sobre a obesidade na adolescência? Como identificar essa divisão entre o estímulo e a pressão para comer? Deixe sua opinião nos comentários e contribua para a troca de ideias entre os leitores do Vivo Mais Saudável! Aproveite também para compartilhar o artigo nas redes sociais e continue o assunto com seus amigos.

TAGS
nutrição
cardápio infantil
sedentarismo
sobrepeso

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ