Alimentação Infantil

26/06/2014 09:00 - Atualizado em 06/12/2016 07:52

Diário alimentar ajuda a criança a controlar o que come

Diário alimentar é um excelente aliado na educação das crianças.

POR

Redação

  • +A
  • -A

A educação alimentar é um tema muito importante e muito caro aos pais que se preocupam em como será a relação do seu filho com a comida. Alimentação irresponsável está por trás de muitas enfermidades que podem surgir, e a melhor prevenção é comer com consciência. E um ótimo aliado para que a criança compreenda isso desde cedo é o diário alimentar

Por que fazer o diário alimentar

O diário alimentar possibilita que a criança tenha o registro de suas refeições e, com a orientação dos pais, o pequeno vai aprender a importância da disciplina alimentar. Você também previne, ajudando o seu filho a manter o diário alimentar, que ele fique obeso – é essencial que essa precaução exista desde cedo.

Foto: ShutterstockFoto: Shutterstock

Você pode pensar que o diário alimentar é um capricho que não serve pra nada, afinal a gente está sempre consciente do que está comendo nas refeições. Acontece que muitas vezes não estamos, não, seja por conta da pressa ou preguiça. Além disso, é absolutamente normal, durante uma atividade cotidiana, comermos uma guloseima como uma bala, pedaço de bolo ou chocolate, sem nos darmos conta que isso é uma refeição também.

Por isso, o diário alimentar é muito útil também para os adultos. Ao anotar todas essas ingestões no diário, temos uma noção de todas as calorias extras ingeridas, mantendo um controle maior e, depois de uma breve consulta, podendo visualizar facilmente os erros que cometemos. Pode parecer difícil fazer uma criança adotar esse hábito e ter noção da responsabilidade que tem na correta alimentação. Mas a vida de um pai e uma mãe responsáveis é feita de desafios, não é mesmo?

Como manter um diário alimentar

Para começar um diário alimentar, tudo o que você precisa é um caderno e uma caneta. Existem sites e aplicativos para smartphone com essas funcionalidades também, mas aí vai depender da sua preferência. Faça isso junto com o seu filho, mantendo você também um diário para dar o exemplo. Vocês devem anotar tudo o que comeram, desde um pedacinho de biscoito, e também tudo o que beberam, inclusive um copo d’água.

Pode parecer besteira, mas é importante ser rigoroso com esses detalhes. Anotem também a hora – por isso o ideal é registrar logo após a refeição –, o grau de fome no momento e o estado emocional. Tente bolar uma pontuação objetiva para a fome (tipo de 1 a 10) e categorias para estado de espírito (como estressado, ansioso, agitado, relaxado, etc.).

Aí está o diferencial do diário alimentar. Questionando essas coisas você e a criança entenderão melhor a relação com a comida. Às vezes, quando nossas emoções estão fora de controle, tendemos a ter impulsos que nos fazem comer alguma coisa, mesmo quando estamos saciados. Nessas horas descuidamos da nossa alimentação. Combine um horário (pode ser duas vezes por semana ou com mais frequência) para ler o diário com seu filho e analisar o que ele pode sugerir sobre a sua alimentação.

Além de avaliar essas questões relativas ao estado emocional, o diário alimentar serve também, é claro, para ver se as refeições principais estão bem balanceadas. É o momento para você explicar ao seu filho por que evitar frituras e comer mais saladas, por exemplo.

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

SERVIÇOS PARA VOCÊ